Get Adobe Flash player

Parceiros Premium

 Rijk Zwaan

 

 

 

Rúcula

Nome científico: Eruca sativa (sinonímia: Eruca vesicaria sativa)
Família: Brassicáceas (sinonímia: Crucíferas)
Nome comum: rúcula, pinchão
Origem: Sul da Europa e parte ocidental da Ásia
Descrição e característica da planta: a rúcula é uma hortaliça herbácea, folhosa, anual, porte baixo, com 15 a 20 centímetros de altura. A folha é a parte comestível e comercial da planta. A sua cor é verde-clara a verde-escura, forma alongada, profundamente recortada, tenra, sabor picante e, em condições de alta temperatura, ficam rijas, menores, picantes e amargas. Nestas condições, as plantas florescem precocemente. Elas se desenvolvem bem em condições de clima ameno, solos férteis, ricos em matéria orgânica e com boa disponibilidade de água durante todo o desenvolvimento vegetativo. Como a planta não tolera solos encharcados, recomenda-se preparar canteiros no local de plantio. Em regiões de clima ameno, consegue-se produzir o ano todo. A propagação é feita por sementes. A semeadura pode ser feita diretamente nos canteiros ou em bandejas próprias para produção de mudas e depois elas são transplantadas nos canteiros. A colheita é feita 30 a 50 dias após a semeadura, através da retirada de folhas mais velhas ou pelo corte das plantas, em torno de 2 centímetros acima do solo para permitir a rebrota. A rúcula pode ser cultivada nos canteiros em campo aberto ou em ambiente protegido (estufas), ou em hidroponia. A hidroponia é um sistema que não utiliza o solo como substrato, mas a água, onde são colocados todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Neste caso, o início da colheita é mais precoce do que as conduzidas em condições de campo. É importante informar que a produção hidropônica e a produção orgânica são dois sistemas de produção bem diferentes.
Produção e produtividade: a rúcula é uma hortaliça muito consumida e importante, principalmente no sul da Europa, no Egito e no Sudão. Nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, é uma hortaliça bem conhecida e consumida. A produtividade normal é de 1.700 a 2.000 maços por hectare. Cada maço é constituído por um feixe de folhas e talos com cerca de meio a um quilo de peso.  Os estados das regiões Sul e Sudeste do Brasil são os maiores produtores dessa hortaliça.
Utilidade: as folhas e talos jovens podem ser consumidos ao natural, crua ou cozida, em saladas, massas, pizzas e outras receitas. São ricas em vitamina C, minerais como ferro, potássio e enxofre. A planta é considerada medicinal, com propriedades antiinflamatória, digestiva, estimulante e diurética.

Newsletter

Facebook